segunda-feira, 28 de setembro de 2015

UFPE- Abertas inscrições para I Simpósio Nordestino em Neurociências, Nutrição e Desenvolvimento Humano

Portal da UFPE

Estão abertas as inscrições para o NeuroNutri 2015 e Ciclo de Palestras em Nutrição e Educação Física, que ocorrerão, simultaneamente, em 12 e 13 de novembro, sob organização da UFPE em colaboração com a UFCA/Juazeiro do Norte e USP, no Centro de Ciências da Saúde da UFPE. O NeuroNutri 2015 é destinado, prioritariamente, a estudantes, professores e pesquisadores envolvidos nessa grande área da saúde e de áreas afins.
fotneuro31.08.15
O evento tem como escopo a divulgação e discussão de pesquisas, experiências profissionais e de intercâmbios referentes a assuntos que contemplem as Neurociências Clínica e Experimental, Comportamento e Nutrição Humana, Experimental e Atividade Física. Já o Ciclo de Palestras visa ampliar novos conhecimentos e estratégias nacionais para um melhor aproveitamento de atletas brasileiros nas Olimpíadas de 2016. Veja a programação e mais informações no site do evento.
Mais informações
Departamento de Nutrição
(81) 2126.8470 / 8471
retirado do site:https://www.ufpe.br/agencia/index.php?option=com_content&view=article&id=53648:abertas-inscricoes-para-i-simposio-nordestino-em-neurociencias-nutricao-e-desenvolvimento-humano&catid=50&Itemid=72

UFPE - Agendada para outubro a VI Jornada de Estudos sobre Etnicidade

Portal da UFPE

Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre Etnicidade (Nepe) da UFPE realizará, nos dias 21 a 23 de outubro, a jornada de estudos antropológicos e direitos territoriais, com a participação, na conferência de abertura, do professor Antonio Carlos de Souza Lima, presidente da Associação Brasileira de Antropologia (ABA).
O evento, que contará com mesas-redondas, fórum de debates e grupos de trabalhos sobre a temática da etnicidade e os estudos antropológicos, também receberá a professora Irene Bellier, da Escola de Altos Estudos e Ciências Sociais de Paris, e a professora Susana Viegas, do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa. A jornada contará com o apoio da Capes, da Embaixada Francesa e da Universidade Lisboa. A programação ainda será definida.
retirado do site:https://www.ufpe.br/agencia/index.php?option=com_content&view=article&id=53831:agendada-para-outubro-a-vi-jornada-de-estudos-sobre-etnicidade&catid=242&Itemid=72

Bateu ansiedade? Veja 7 dicas para se preparar emocionalmente para o Enem

Marcelle Souza
Do UOL, em São Paulo

Quanto mais perto de uma prova decisiva, maior costuma ser a ansiedade dos candidatos que se preparam para o tão esperado dia. A ideia de que o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) ou o vestibular pode mudar o rumo da sua vida – ou adiar os planos por mais um ano — pode causar o maior frio na barriga.
"Essa ansiedade vem da expectativa -- individual e a da família -- que colocamos no vestibular e no Enem, mas essa ansiedade pode gerar prejuízos, diminuir a concentração e a capacidade de raciocínio, aumentar a dificuldade de interpretação", afirma a psicóloga Camila Cury.
A pergunta que não quer calar é: como lidar com as emoções envolvidas nessa fase? Para dar uma ajudinha, a psicóloga aponta, a seguir, sete dicas para não surtar até o dia do exame.

Confira as dicas

Thinkstock
Thinkstock

1

 

Domine os seus pensamentos

Na reta final bateu um desespero? Você acha que não vai conseguir? Nada de ficar pensando que você não é bom ou que não vai dar conta. "Esse pensamento angustiante bloqueia a memória, então você precisa agir", afirma a psicóloga. Para isso, ela indica a técnica que chama de DCD (duvidar, criticar e determinar). Quando o pensamento negativo chegar, você deve avaliá-lo de forma crítica e agir sobre ele, determinando atitudes saudáveis e positivas.
Reprodução/Nationswell
Reprodução/Nationswell

2

 

Dormir é fundamental

Não adianta perder uma noite de sono para ficar estudando. Para a psicóloga, isso não é saudável e prejudica o seu desempenho nos estudos. "O sono é fundamental. Ficar sem dormir pode resultar em um rendimento cognitivo menor", afirma Cury. Por isso, é importante ter hora certa para dormir e, 30 minutos antes, desligar os aparelhos eletrônicos. "Pode ser que no começo seja muito difícil, mas é um treinamento. Assim como esporte, é difícil no começo, mas você se adapta aos poucos. O mesmo acontece na psique".
Reprodução/Propel Perform
Reprodução/Propel Perform

3

 

Cuidado com a alimentação

Assim como o sono, a alimentação também pode afetar o seu desempenho na hora da prova. Por isso, é importante preferir comidas leves e ingeri-las de forma regrada. "Às vezes, no dia da prova a ansiedade bloqueia a fome, mas ficar sem comer pode dificultar o raciocínio", diz a especialista.
Junior Lago/UOL
Junior Lago/UOL

4

 

Prepare seu cérebro

Dias antes do vestibular, é importante que o estudante se prepare psicologicamente caso algo não dê certo. "Ele precisar pensar 'como eu vou lidar se eu não conseguir resolver uma questão?', 'e seu eu não passar no vestibular?'", diz a psicóloga Camila Cury. Mas essa projeção não pode ser passiva, tem que ser argumentativa, tem que ser um posicionamento questionador, crítico e estratégico. "Se eu não souber a questão, vou passar para a próxima?", diz. "Geralmente, quando estamos ansiosos evitamos pensar sobre aquilo, mas quando mais você tenta não pensar, mais você pensa. Por isso, não pensar não é uma alternativa saudável. Você precisa preparar o seu cérebro, criar possibilidades diante dos desafios futuros", afirma.
Rogério Cassimiro
Rogério Cassimiro

5

 

Na reta final, só revisão

Duas semanas antes da prova, a psicóloga diz que o ideal é revisar o que você já sabe. "Não adianta estudar muito coisa diferente nessa fase, é muito mais valioso para o cérebro sedimentar o que você já sabe do que querer focar em um conhecimento novo", afirma.
Getty Images
Getty Images

6

 

Desmistifique o vestibular

Para ficar mais tranquilo, é importante pensar no vestibular como uma etapa, um processo, e não como um objetivo final. "O jovem atrela muito o sucesso na carreira à escolha e ao resultado do vestibular, mas hoje muita gente não trabalha na área em que se formou, o mercado está dinâmico, e muitos profissionais de sucesso não passaram de primeira no vestibular", afirma a psicóloga. "Quando você vê histórias de outras pessoas, quando você pega esses parâmetros possíveis e reais de sucesso e fracasso, você diminui a ansiedade e percebe que não tem que acertar sempre e vai com expectativa diferente para a prova", diz.
Leandro Moraes/UOL
Leandro Moraes/UOL

7

 

Confie no seu taco

No dia da prova, pense positivo e confie nos seus estudos. "É importante trazer essa confiança, pensar que você vai fazer o melhor que puder. Por isso, estabeleça um diálogo saudável consigo mesmo", afirma a especialista.
retirado do site:http://educacao.uol.com.br/listas/bateu-ansiedade-veja-7-dicas-para-se-preparar-emocionalmente-para-o-enem.htm

Pronatec é um caça-níquel para redes privadas, afirma especialista

Marcelle Souza
Do UOL, em São Paulo

Oferecer cursos técnicos rápidos a pessoas que não completaram a educação básica não resolve o problema de falta de mão de obra capacitada no país. Isso é o que defende o professor da Uerj (Universidade Estadual do Rio de Janeiro) Gaudencio Frigotto, que estuda ensino técnico e ensino médio na instituição. Para ele, o programa reproduz modelos antigos e favorece as redes privadas de ensino superior no país.
"São dois problemas: o Pronatec [Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego] reedita programas do passado e virou um caça-níquel para universidades privadas que não têm nenhuma tradição em cursos técnicos, mas que percebem uma forma de ganhar dinheiro", afirma.
retirado do site:http://educacao.uol.com.br/noticias/2014/06/30/pronatec-e-um-caca-niquel-para-redes-privadas-diz-especialistas.htm

Quase um milhão de alunos abandonaram os cursos do Pronatec

Marcelle Souza
Do UOL, em São Paulo

Das 7,4 milhões de matrículas criadas pelo Pronatec (Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego), cerca de 950 mil foram abandonadas por candidatos de 2011 até junho deste ano. O número é do MEC (Ministério da Educação), que não vê esse dado de evasão como preocupante.
"O percentual de abandono é de 12,86% no Pronatec, um número que consideramos razoável", diz Aléssio Trindade de Barros, secretário da Setec (Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica) do MEC. "Muitos alunos são jovens e adultos que estão procurando emprego, e dentro da escola passar a ter contatos empresariais, acabam conseguindo emprego e às vezes precisam parar o curso", afirma.
retirado do site:http://educacao.uol.com.br/noticias/2014/06/30/pronatec-quase-um-milhao-de-alunos-abandonaram-os-cursos-tecnicos.htm

Pronatec: confira 4 explicações para o fracasso do programa

Do UOL, em São Paulo

O Ministério da Fazenda divulgou na quinta-feira (24) uma pesquisa demonstrando que as pessoas que fizeram cursos do Pronatec (Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego) têm praticamente a mesma chance de voltar ao mercado de trabalho do que aqueles que não procuraram uma capacitação.
Entre os anos de 2011 e 2014, o Pronatec registrou mais de 8,1 milhões de matrículas em cursos de formação gratuitos. Com a crise, o programa sofreu um corte de 57% em relação a 2014.
Algumas críticas feitas por especialistas nos últimos anos podem ajudar a entender o fracasso do programa que foi uma das principais bandeiras da campanha eleitoral da presidente Dilma Rousseff em 2014. Confira abaixo:
  • Maioria das vagas em cursos de curta duração

O Pronatec oferece dois tipos de capacitação: os cursos técnicos de no mínimo um ano para quem já concluiu ou está no ensino médio e os conhecidos como FIC (Formação Inicial e Continuada), que têm duração mínima de dois meses.
Para especialistas, um dos problemas do programa é que esses cursos rápidos correspondem a cerca de 70% das vagas ofertadas. "Uma pessoa que não teve ensino médio, que não teve ensino fundamental, não vai conseguir se inserir no mercado com um curso de 160 horas. Em qualquer área, você não aprende se não tem base, se não tem os fundamentos", diz o professor da Uerj (Universidade Estadual do Rio de Janeiro) Gaudencio Frigotto.
"Esses cursos são de baixa complexidade tecnológica e, diferente do curso técnico, não garantem um certificado de profissional com elevação de escolaridade ao estudante", afirmou em 2014 ao UOL o Movate (Movimento de Valorização dos Trabalhadores em Educação do MEC).
  • Faltou monitoramento e divulgação de resultados do programa

Em junho de 2014, o UOL procurou o Ministério do Trabalho e o da Educação epediu dados de empregabilidade do Pronatec, o que daria a dimensão da eficiência do programa. Os números, porém, não foram fornecidos.
O programa, que foi criado em 2011, teve os resultados divulgados só agora. Cerca de R$ 14 bilhões foram investidos em cursos do Pronatec entre 2011 e 2014.
  • Faltou acompanhamento da qualidade dos cursos

Em 2014, o UOL entrevistou representantes do Movate, um dos grupos mais críticos ao Pronatec. "O movimento critica a falta de regulação e acompanhamento dos cursos ofertados no âmbito do Pronatec que, em sua maioria, são cursos FIC (curta duração)", afirmou à reportagem.
O monitoramento da qualidade dos cursos também foi questionado pelo professor Gaudencio Frigotto, que estuda o ensino técnico no Brasil na Uerj. "O MEC não tem capacidade técnica de acompanhar tudo, é uma falta de controle total".
  • Governo não considerava evasão preocupante

Entre 2011 e 2014, quase 1 milhão de estudantes abandonaram os cursos do PronatecEm alguns casos, a evasão chegava a 50%. "O percentual de abandono é de 12,86% no Pronatec, um número que consideramos razoável", disse ao UOLAléssio Trindade de Barros, então secretário da Setec (Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica) do MEC.
No entanto, o MEC implantou, em agosto deste ano, uma série de medidas para tentar contar a evasão no Pronatec.
retirado do site:http://educacao.uol.com.br/noticias/2015/09/25/pronatec-confira-4-explicacoes-para-o-fracasso-do-programa.htm

sexta-feira, 18 de setembro de 2015

Mestrado Profissional na UFRJ

Portal da UFRJ

EDITAL N 290, DE DE 3 DE SETEMBRO DE 2015
SELEÇÃO AO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL
TECNOLOGIA PARA O DESENVOLVIMENTO SOCIAL
TURMA DE 2016

     O Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Tecnologia para o Desenvolvimento Social (PPGTDS) do Núcleo Interdisciplinar para o Desenvolvimento Social (NIDES) da Universidade Federal do Rio de Janeiro, nos termos das Resoluções 01/2006 e 02/2006 do CEPG/ UFRJ e de acordo com o Regulamento do Programa, torna público que estarão abertas, de 05 de outubro de 2015 a 05 de novembro de 2015, as inscrições para a seleção ao curso de Mestrado Profissional Tecnologia para o Desenvolvimento Social (MPTDS) do PPGTDS/NIDES/CT/UFRJ, turma do ano letivo de 2016, que será conduzida pela Comissão de Seleção conforme as normas descritas neste edital.

Edital PPGTD-UFRJ 2016
Ficha de inscrição
Modelo de currículo
Roteiro para elaboração do pré-projeto
Cronograma
Contatos
retirado do site:http://www.nides.ufrj.br/index.php/ppgtds/edital

USP - Inscrições abertas para exame de proficiência em língua inglesa

Portal USP

Estão abertas, até o dia 23 de setembro, as inscrições para alunos de graduação e de pós-graduação da USP interessados em fazer o exame TOELF ITP, avaliação de proficiência exigida para a concessão de bolsas do programa Ciências sem Fronteiras e também aceito por outros programas de mobilidade para países de língua inglesa.
A USP oferecerá gratuitamente até 2.400 testes, que serão aplicados nos dias 26 e 27 de setembro, em parceria com a Fuvest, no prédio Biênio da Escola Politécnica (Av. Prof. Luciano Gualberto, Travessa 3, 380, Cidade Universitária, São Paulo). Os interessados devem fazer a inscrição no site do Ministério da Educação.
A ação faz parte do programa “Inglês na USP”, uma iniciativa da Agência USP de Cooperação Acadêmica Nacional e Internacional que visa criar um ambiente acadêmico internacional na Universidade, sem se restringir apenas à questão da mobilidade.
Desde julho deste ano, a USP ingressou no programa “Idiomas sem Fronteiras”, do MEC, e passou a oferecer mais um curso para que seus alunos desenvolvam o conhecimento em língua inglesa: My English Online. 
A USP foi habilitada como Centro Aplicador do TOEFL em julho deste ano. Esta é a segunda vez que a Universidade aplica o exame. No último dia 26 de julho, o teste foi aplicado gratuitamente a 600 estudantes.
retirado do site:http://www.usp.br/imprensa/?p=52599

UFMG - Ioga e rito sagrado oriental são temas da próxima edição da Série de Estudos Indianos

Portal da UFMG

O fundamentos da ioga e o ritual védico serão abordados no próximo encontro da Série de Estudos Indianos, na próxima quinta-feira, 24, no auditório 3 do Instituto de Ciências Exatas (Icex).
A partir das 14h30, grupos de discussão e pesquisadores vão debater temas relacionados às atividades do Centro de Estudo Indianos (CEI), para mapear futuras possibilidades de atuação.
Às 15h30, o filósofo e educador Marcus Fonseca vai ministrar palestra sobre a ioga e repassar exercícios para o público. O professor Dilip Loundo fará a última palestra do dia, sobre o rito sagrado oriental conhecido como ritual védico.
A entrada é franca e não há necessidade de inscrição prévia.
Mais informações podem ser obtidas no site da Diretoria de Relações Internacionais (DRI).

retirado do site:https://www.ufmg.br/online/arquivos/040049.shtml

UFMG - Pesquisadores reúnem-se na UFSJ na próxima semana para debater uso de substâncias psicoativas no trabalho

Portal da UFMG

Será realizado, nos dias 22 e 23 de outubro, em São João del Rei, o 1º Congresso Internacional de Psicologia do Trabalho – o uso de substâncias psicoativas nos contextos laborais, organizado em parceria entre a UFMG e a Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ).
Em mesas-redondas, pesquisadores refletirão sobre a influência das substâncias psicoativas no contexto das atividades esportivas de alto nível, sobre o enfrentamento ao alcoolismo e sobre a contribuição das clínicas do trabalho na prevenção dos uso dessas substâncias em ambientes profissionais. Temas mais gerais da psicologia do trabalho, como a precarização objetiva e subjetiva no trabalho, também serão discutidos.
O Congresso também representa mais um passo para consolidar a cooperação científica mantida entre pesquisadores brasileiros e de instituições francesas, como o Conservatório Nacional de Artes e Ofícios (CNAM), a Escola de Altos Estudos (HEC) e o Centro Nacional de Pesquisa Científica (CNRS).

Na noite do dia 23, será lançado o livro Álcool e trabalho - revisitando conceitos à luz de novas descobertas, organizado pelas professoras Maria Elizabeth Antunes Lima, da UFMG, e Rosângela Maria de Almeida Camarano Leal, da UFSJ.
O congresso ocorrerá no campus Dom Bosco, da UFSJ. Inscrições e mais informações estão disponíveis no site do evento.
retirado do site:https://www.ufmg.br/online/arquivos/040043.shtml

UFES - Observatório da Mídia realiza oficinas sobre direitos humanos para jornalistas

Portal da UFES

Começa nesta sexta-feira, 18, a segunda edição das oficinas do projeto de extensão Capacitação de Jornalistas para Respeito e Promoção dos Direitos Humanos.
O projeto tem por objetivo de colaborar para que jornalistas e militantes identifiquem práticas de desrespeito aos direitos humanos veiculadas e promovidas pela imprensa, na tentativa de mudanças de algumas práticas de profissionais da mídia. Além disso, pretende analisar criticamente os conteúdos jornalísticos em diversos meios e promover a cultura dos direitos humanos.
As oficinas serão realizadas em dois módulos. O primeiro será nesta sexta-feira, das 18 às 22 horas, e sábado, de 8 às 12 horas. Já o segundo módulo será nos dias 25 e 26, nos mesmo horários, sempre na sala 4 do Cemuni V, no Centro de Artes da Ufes, campus de Goiabeiras.
A iniciativa é realizada pelo grupo de pesquisa e ação Observatório da Mídia: direitos humanos, políticas, sistemas e transparência em parceria com o Sindicato dos Jornalistas e o Conselho Estadual de Direitos Humanos; tendo sido contemplada pelo segundo ano consecutivo pelo Programa de Extensão Universitária (ProExt) do Ministério da Educação com bolsas e equipamentos. O projeto é destinado a profissionais do jornalismo, militantes de direitos humanos e estudantes de Jornalismo.
Mais informações estão disponíveis no endereço eletrônico https://jornalismodireitoshumanos.wordpress.com/.
Texto: Ana Carolina Sabino (bolsista de programa de Comunicação)
Edição: Thereza Marinho
retirado do site:http://www.ufes.br/conteudo/observat%C3%B3rio-da-m%C3%ADdia-realiza-oficinas-sobre-direitos-humanos-para-jornalistas

UFBA recebe workshop sobre inovação nos museus de ciência e tecnologia

Portal da UFBA


Temática é voltada para a difusão do conhecimento
O Workshop Inovação nos Museus de Ciência e Tecnologia acontecerá a partir das 8h30 do próximo dia 25/09, no Auditório da Faculdade de Arquitetura da UFBA, na Federação. Nesta edição, o evento tem por tema “A difusão do conhecimento para um mundo melhor” e conta com o apoio da UFBA, Faculdade de Arquitetura, INCT-Energia e Ambiente (Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Energia e Ambiente), CIEnAm (Centro Interdisciplinar de Energia e Ambiente) e é promovido pela Academia de Ciências da Bahia.
retirado do site:https://www.ufba.br/noticias/ufba-recebe-workshop-sobre-inova%C3%A7%C3%A3o-nos-museus-de-ci%C3%AAncia-e-tecnologia

quinta-feira, 17 de setembro de 2015

Pós-Doutorado em Agronomia com Bolsa da FAPESP

Portal da UNESP

Oportunidade é na Faculdade de Ciências Agronômicas da Unesp em Botucatu

A Faculdade de Ciências Agronômicas (FCA) da Unesp em Botucatu oferece uma oportunidade de Bolsa de Pós-Doutorado na área de Agronomia. As inscrições encerram em 20 de setembro.
O bolsista integrará pesquisa no âmbito do Projeto Temático "Compostagem do lodo de esgoto: avaliação do processo, do produto gerado e dos custos", apoiado pela FAPESP e pela Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp).
A pesquisa a ser desenvolvida deverá analisar o processo de compostagem do lodo de esgoto, o produto gerado e o custo.
O projeto tem como instituição-sede a Faculdade de Ciências Agronômicas de Botucatu/ UNESP e, como instituição de apoio, a Sapesp.
A oportunidade está publicada em www.fapesp.br/oportunidades/877.
Os candidatos devem enviar currículo Lattes, súmula curricular (modelo FAPESP), uma carta de recomendação e um projeto com, no máximo, 10 páginas (modelo FAPESP) para o pesquisador principal do projeto, Roberto Lyra Villas Bôas, no endereço rlvboas@fca.unesp.br.
O selecionado receberá Bolsa de Pós-Doutorado da FAPESP no valor de R$ 6.143,40 mensais e Reserva Técnica. A Reserva Técnica de Bolsa de PD equivale a 15% do valor anual da bolsa e tem o objetivo de atender a despesas imprevistas e diretamente relacionadas à atividade de pesquisa.
Caso o bolsista de PD resida em domicílio diferente e precise se mudar para a cidade onde se localiza a instituição sede da pesquisa, poderá ter direito a um Auxílio-Instalação.
Mais informações sobre a Bolsa de Pós-Doutorado da FAPESP estão disponíveis em www.fapesp.br/bolsas/pd.
Outras vagas de Bolsas de Pós-Doutorado, em diversas áreas do conhecimento, estão no site FAPESP-Oportunidades.
Agência Fapesp
retirado do site:http://www.unesp.br/portal#!/noticia/19197/pos-doutorado-em-agronomia-com-bolsa-da-fapesp/

UFLA permanece entre as 150 melhores do mundo na área de Ciências Agrárias e Florestais

Portal da UFLA

qs-rankingA Universidade Federal de Lavras (UFLA) está entre as 150 melhores do mundo na área de Ciências de Agrárias e Florestais, de acordo com o ranking produzido pela empresa inglesa Quacquarelli Symonds. A divulgação da classificação internacional foi feita nesta segunda-feira (14/9). Segundo dados do QS World University Rankings by Subject 2015apenas dez universidades brasileiras estão no grupo das 150 melhores nesta área do conhecimento.
A Universidade de São Paulo (USP) e a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) estão entre as 30 primeiras classificadas na área. Na sequência, vem a Universidade Estadual Paulista Júlio Mesquita Filho (Unesp), na faixa que vai da 51ª à 100ª posição. Entre as 150 melhores, além da UFLA, incluem-se a Universidade de Brasília (UNB), a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), a Unversidade Federal de Santa Catarina (UFSC), a Universidade Federal de Viçosa (UFV), a Universidade Federal do Paraná (UFPR) e a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRS).
Na avaliação do reitor da UFLA, professor José Roberto Scolforo, o resultado é importante porque confirma um patamar que vem se repetindo desde 2013 neste ranking. “Temos conseguido manter qualidade consolidada na área de agrárias, o que é essencial neste momento, em que buscamos inserção e reconhecimento também em outros campos do saber”.
A avaliação do QS World University Rankings by Subject baseia-se em três conjuntos de dados que denotam reputação acadêmica, reputação perante o empregador e impacto da pesquisa científica realizada. O objetivo é auxiliar os estudantes que buscam identificar as melhores instituições de ensino da área que escolheram.
Na avaliação da reputação acadêmica, professores e pesquisadores do mundo são entrevistados e indicam as instituições internacionais que consideram excelentes em sua área. Empregadores também são entrevistados, para que apontem as instituições que formam os melhores profissionais, dando origem à reputação empregador. Já para avaliar o impacto da pesquisa, levam-se em conta dados como o número de citações dos artigos produzidos pelos pesquisadores da instituição, por exemplo.
O ranking é divido em cinco grandes áreas: Artes e Humanidades, Engenharia e Tecnologia, Ciências da Vida e Medicina, Ciências Naturais e Ciências Sociais e Administração. Entre as seis subáreas de Ciências da Vida e Medicina está Ciências de Agrárias e Florestais.
Ranking Universitário da Folha (RUF)
Também na segunda-feira (14/9) ocorreu a divulgação do RUF. Na edição deste ano a UFLA ocupa a 34º posição no Brasil. O destaque é para a área de Inovação, em que a instituição aparece em 16º lugar no país, e para os cursos de Agronomia e Medicina Veterinária, classificados em 5ª e 7ª posição, respectivamente. A instituição mantém a 4ª posição, alcançada em 2014, no número de publicações por docente e de bolsistas de produtividade. Outros indicadores que merecem destaque são: relação de professores com dedicação integral e parcial (ocupa a melhor posição, junto com outras universidades) e desempenho dos estudantes no Enade (4º lugar).
Os indicadores que compõem o Ranking Universitário da Folha são o de internacionalização (considera número de citações aos trabalhos da universidade feitas por grupos de pesquisa internacionais), o de publicações (considera número de pesquisas publicadas em 2011 e 2012 nos periódicos indexados na base “Web of Science”), o de inovação (considera número de pedidos de patente ao Inpi no período de 2004 a 2013), o de ensino (considera pesquisa feita pelo Datafolha em 2015 com 726 professores do país) e de mercado de trabalho (considera pesquisa do Datafolha 2015 com empregadores brasileiros).
O RUF classificou 192 universidades brasileiras, públicas e privadas.
retirado do site:http://www.ufla.br/ascom/2015/09/16/ufla-permanece-entre-as-150-melhores-do-mundo-na-area-de-ciencias-agrarias-e-florestais/

PU/UFPB divulga vaga de seleção para bolsa-estágio

Portal da UFPB

A Prefeitura Universitária da Universidade Federal da Paraíba (PU/UFPB) está selecionando do dia 15 até o dia 22 de setembro, um estudante para estágio remunerado para desempenhar as atividades na área de Direito Administrativo.

A vaga é para estágio obrigatório ou não obrigatório para alunos matriculados e com frequência regular dos cursos de Direito (João Pessoa ou Santa Rita). Na oportunidade serão selecionados também alunos para formar cadastro de reserva.

Para participar da seleção o aluno deve ter concluído pelo menos três períodos do curso; ter Coeficiente de Rendimento Escolar – CRE maior ou igual a 7,0 (sete) e disponibilidade de horário matutino.

A PU disponibiliza de 1 (uma) vaga de estágio com Carga horária de 20 horas semanais (das 8h às 12h), contrato com prazo de 1 (ano), podendo ser prorrogado por igual período; Bolsa-Auxílio de R$364,00 e Auxílio-Transporte de R$132,00.

Edital completo aqui

Fonte: 
Ascom - Reitoria (Fernando caldeira / Jéssica Azevedo)
retirado do site:http://www.ufpb.br/content/puufpb-divulga-vaga-de-sele%C3%A7%C3%A3o-para-bolsa-est%C3%A1gio

Universidade dos EUA dá bolsas de MBA para brasileiros

Estadão Conteúdo
Em São Paulo

Brasileiros interessados em cursar um MBA (Master Business in Administration) no exterior terão a oportunidade de estudar de graça. A Marshall School of Business da University of Southern California (USC), nos Estados Unidos, está oferecendo três bolsas para interessados em cursar o seu programa de MBA internacional em 2016. Para concorrer, é preciso ser nascido no Brasil.
Fundado em 1978, o IBEAR MBA, da UCS, é um programa acelerado em tempo integral de um ano, criado para profissionais em meio de carreira que estão sendo preparados para assumir altos cargos globais. Em geral, os participantes do curso têm cerca de 34 anos e uma década de carreira profissional.
As bolsas podem chegar a 45 mil dólares (cerca de 174 mil reais). Os alunos selecionados também receberão auxílio moradia, que pode chegar a 15 mil dólares (cerca de 58 mil reais) para quem viaja com os filhos.
O processo seletivo leva em conta a experiência profissional do candidato, formação acadêmica, testes (GMAT e TOEFL), cartas de recomendação e de candidatura. Os interessados devem ter, no mínimo, seis anos de experiência profissional e diploma de bacharel antes do início do MBA. As inscrições estão abertas até 1 de maio.

retirado do site:http://educacao.uol.com.br/noticias/agencia-estado/2015/09/15/universidade-dos-eua-da-bolsas-de-mba-para-brasileiros.htm

sexta-feira, 11 de setembro de 2015

Professor pode ter bolsa para atuar em instituição estrangeira

Portal do MEC

Contar as histórias escritas nas páginas da literatura brasileira a universitários ao redor do mundo e levar a cultura além das fronteiras do país. Esse é o desfio do programa Leitorado, que seleciona professores para atuar em instituições estrangeiras de educação superior. O programa promove a língua portuguesa por meio da cultura e da literatura. Os interessados em participar têm até 8 de outubro para se candidatar. O início das atividades está previsto para fevereiro de 2016.
O selecionado terá como benefício uma bolsa mensal, além de outros auxílios. O leitor ou leitora, como são chamados, pode permanecer de dois a quatro anos na universidade estrangeira. Os candidatos precisam ter doutorado ou mestrado e experiência no ensino de linguística, linguística aplicada, literatura brasileira, cultura brasileira, entre outras exigências previstas em edital.
O programa Leitorado é uma parceria entre a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) do Ministério da Educação e o Ministério das Relações Exteriores.
Mais informações no Edital nº 14/2015 da Capes e na página do programa Leitorado na internet.
Assessoria de Comunicação Social

Faxineira que se formou com ajuda de bombeiros ganha bolsa de estudos

Jéssica Nascimento
Do UOL, em Brasília

Após conquistar um diploma de ensino superior graças a uma vaquinha feita por grupo de bombeiros de Santa Maria (DF), a faxineira Ivone da Silva, 38 anos ganhou uma bolsa de estudos integral em uma instituição preparatória para concursos públicos. A mulher foi a primeira da família a cursar uma faculdade e sonha em dar uma vida melhor para a filha de 17 anos.
O coordenador pedagógico do 'Gran Cursos' André Lopes, 43, foi quem teve a ideia de doar a bolsa para a faxineira. Ele conta que morou durante muito tempo em Santa Maria e que sofreu dificuldades para encontrar emprego, tendo assim, que trabalhar na rua. Ao saber da história de Ivone, André ficou sensibilizado e logo entrou em contato com o quartel.
"Oferecemos a bolsa de estudos porque achamos realmente que ela merece. Ela está travando uma luta não só pela sobrevivência, mas pela ascensão a partir de um processo de ensino. Não achamos justo nem democrático que pessoas que não possam pagar sejam vetadas de estudo. Acreditamos que a Ivone precisa e merece chegar ao sucesso".
A faxineira começou os estudos no cursinho na última sexta-feira (4). As aulas são de segunda a sexta-feira de 19h15 as 22h40 na filial do Gama, cidade onde Ivone mora. Segundo ela, a matéria mais difícil até o momento foi língua portuguesa. Já o assunto preferido é a temida matemática. "Nem vou reclamar da dificuldade porque estou muito feliz e grata com a bolsa que ganhei. Tenho que fazer valer a pena toda a confiança que estão depositando em mim. Vou estudar e me dedicar muito mais", diz.
O salário de Ivone é de R$ 818. Ela acorda às 5h30, prepara o café para a filha e marido e vai trabalhar. Chega em casa às 18h, faz o jantar e vai para o cursinho. Os intervalos no trabalho e as madrugadas estão sendo utilizados para repassar a matéria apresentada no cursinho que terá a duração entre cinco e sete meses. "O foco agora é passar em algum concurso de preferência na minha área".

Vaquinha

Ivone colou grau há pouco mais de duas semanas em recursos humanos e até ganhou um anel de formatura de uma das soldadas. O curso durou dois anos e meio e a mensalidade de R$ 230 foi paga por 10 bombeiros. "Percebemos o quanto ela era esforçada e dedicada com os estudos. Mesmo com as dificuldades financeiras, ela prestou o vestibular e passou no curso. Como forma de incentivo, nós nos oferecemos a pagar a mensalidade", explica o bombeiro do 18º Grupamento Bombeiro Militar Diogo Neiva, 24.
retirado do site:http://educacao.uol.com.br/noticias/2015/09/08/faxineira-que-se-formou-com-ajuda-de-bombeiros-ganha-bolsa-de-estudos.htm

Pelo 2º ano, USP deixa de pagar bônus a professores e funcionários

Estadão Conteúdo
Em São Paulo

Pelo segundo ano consecutivo, a reitoria da Universidade de São Paulo (USP) não vai pagar o prêmio de excelência acadêmica aos seus professores e funcionários. A decisão mais uma vez foi motivada pela crise financeira da instituição, que se arrasta desde o fim de 2013.
A USP informou que "não há previsão de pagamento do prêmio neste ano". Na última vez em que foi dado, em 2013, esse benefício custou R$ 45 milhões aos cofres da universidade. Cada um dos cerca de 23 mil servidores recebeu R$ 2 mil.
Naquela ocasião, a USP vivia o processo de escolha do reitor. O pagamento do prêmio pelo então dirigente, João Grandino Rodas, foi visto como uma manobra eleitoreira, para apoiar o candidato da situação. O favorecimento foi negado pelo ex-reitor. Em 2013, a USP já comprometia quase todo o repasse do governo paulista com a folha de pagamento.
A premiação, criada em 2008, não será concedida pela terceira vez. O benefício anual considera o desempenho da USP em rankings estrangeiros, avaliações nacionais de pós-graduação e metas internas. Mas também depende da disponibilidade orçamentária. Em 2010, primeira vez em que foi suspenso, pesaram critérios acadêmicos.
Até agora, o atual reitor, Marco Antonio Zago, nunca pagou esse bônus. Para docentes e técnico, ele já era considerado uma complementação de renda.
Segundo o presidente do Sindicato dos Trabalhadores da USP (Sintusp), Magno de Carvalho, a medida não surpreende os profissionais. "Nem contávamos que seria pago. Está acontecendo um processo de desvalorização da categoria, com perda de direitos e o plano de demissão voluntária (PDV)."
Desde que assumiu, em fevereiro de 2014, Zago adotou medidas impopulares para reequilibrar as contas. Uma delas foi o PDV de técnico-administrativos para cortar gastos com salários. Com a saída de cerca de 1.850 servidores, o total agora é de 15,6 mil, menos do que havia em dezembro de 2010.
As contratações seguem congeladas há um ano e meio. Em 2014, a reitoria também parou as obras, que foram parcialmente retomadas neste ano.

Finanças

Mesmo com as ações anticrise, a USP ainda emprega 102,8% dos repasses do Tesouro do Estado com a folha de pagamento. O patamar ideal máximo seria de 85%, índice que a instituição ultrapassa desde o começo de 2012. Para honrar os compromissos, a reitoria recorre à reserva bancária.
A recuperação financeira é prejudicada pela piora do cenário político e econômico, com baixa arrecadação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). Uma cota de 5,03% do tributo é a principal fonte de receita da USP.
Entre janeiro e julho, a arrecadação do ICMS paulista recuou 3,25% na comparação com o mesmo período de 2014, em valores corrigidos pela inflação. A trajetória de queda se acentua desde o segundo trimestre do ano passado.
As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.
retirado do site:http://educacao.uol.com.br/noticias/agencia-estado/2015/09/11/pelo-2-ano-usp-deixa-de-pagar-bonus-a-professores-e-funcionarios.htm

quinta-feira, 10 de setembro de 2015

Professores do Estado de SP relatam situação 'humilhante' para pegar aulas

Marcelle Souza
Do UOL, em São Paulo

Poderia ser dia de festa na escola: o pátio interno está cheio, há cartazes, quase não é possível ouvir o que se diz ao microfone e a cantina está a todo vapor. "Não tem mais água para comprar", diz uma pessoa ao meu lado, enquanto outra passa com um prato de comida.
Apesar da agitação, não são alunos, mas professores temporários da rede estadual que ocupam de pé ou sentados o pátio de uma escola no Conjunto Habitacional José Bonifácio, na zona leste de São Paulo, e não há muito o que comemorar. A longa espera e o caos marcam o dia de atribuição de aulas –quando professores escolhem as classes e escolas onde irão dar aulas naquele ano letivo. A reportagem do UOL acompanhou das 15h às 20h a atribuição de docentes temporários no dia 23 de janeiro.
Neste ano, a atribuição dos temporários começou com duas horas de atraso na DRE (Diretoria Regional de Ensino) Leste 3, que abrange 81 escolas da cidade de São Paulo. "Eu acho uma situação meio humilhante", diz um professor que não se quis se identificar sentado em uma mureta do lado de fora do pátio. "Eles não se importam nem com o cumprimento dos horários", afirma o docente de química de 27 anos, que é temporário desde 2009.
"É uma humilhação. Eu me formei em 2008, já fiz duas pós-graduações e sou tratada dessa forma", afirma Thaís Alves, 28, professora de português que chegou antes das 15h e só conseguiu sair da escola com a relação das suas turmas mais de quatro horas depois.

Hora da chamada

Pelo microfone, uma representante da DRE chama os professores de acordo com a colocação em um prova classificatória –a lista está colada em uma das paredes do pátio da escola. "A gente não consegue ouvir direito quando é chamado e corremos o risco de perder a vez. Até o ano passado, a minha estratégia era saber quem eram os professores antes de mim. Quando chamavam o nome deles, eu já ficava posicionada", diz Ellen Fernandes, 29, professora de ciências e biologia.


Quem tem prioridade

Os primeiros a decidir onde e para quais classes darão aula são os professores efetivos (concursados). Eles não precisam fazer fila nem esperar horas em pé, tudo é decidido na escola. Logo depois dos concursados, os docentes da categoria F (temporários que ganharam estabilidade) também fazem a atribuição de aula na escola. Em seguida, cada DRE convoca os temporários (categoria O) para decidir entre as aulas que não foram escolhidas pelos anteriores ou que precisam de substitutos.

Ao todo, 957 professores do ensino fundamental 1 (até o 5º ano) e 1.268 do fundamental 2 e ensino médio são candidatos a vagas em escolas da DRE Leste 3. Independentemente da nota que tiraram na prova (que não é eliminatória), todos poderão assumir aulas se houver salas sem docentes.
Os primeiros colocados têm mais "sorte", especialmente em matérias como português, inglês e educação física (as mais disputadas). "Você chega e espera horas sem saber se vai sair daqui com ou sem aula", diz Izabel de Souza, 28, professora de português. Quem não consegue turmas fixas, tem que fazer substituições ou ser auxiliar de reforço. Os temporários só recebem pelas aulas dadas no mês.

Tabela no quadro negro

Quem enfim é chamado e deixa o pátio lotado, precisa subir uma rampa, apresentar os documentos que comprovem a sua formação e entrar em uma das salas, de acordo com a disciplina que está apto a ministrar.....

Retirado do site:http://educacao.uol.com.br/noticias/2014/01/30/professores-de-sp-relatam-situacao-humilhante-para-conseguir-aulas.htm

Opinião;

Essa reportagem foi feita em janeiro do ano passado, porém reflete a situação que os professores passam todos os anos seja em São Paulo (Capital) como também no Interior a situação é a mesma.

Essa é forma como se trata os educadores, aqueles que vão formar pessoas que um dia poderão estar em cargos políticos conduzindo nosso país.

Seja qual for a sua orientação política, devemos nos unir para melhorar essa situação ou estaremos cada vez mais à margem da sociedade.
   
Opinião de Airton Tomaz Pereira, formado em administração com Pós-Graduação em Logística e Educação, Atua como Professor em cursos técnicos no estado de São Paulo, atua também como consultor de empresas voltado para pequenos negócios.

A cada mês, 172 professores pedem demissão ao Estado de SP

Léo Arcoverde
Colaboração para o UOL, em São Paulo

A rede estadual de ensino de São Paulo registrou a exoneração de 9.279 professores entre janeiro de 2011 e junho de 2015. Esse número representa a saída de 172 docentes da sala de aula por mês, em média. Os dados são da Secretaria Estadual de Educação obtidos por meio da Lei de Acesso à Informação (Lei nº 12.527/2011) pelo site "Fiquem Sabendo".
No mesmo período, outros 3.351 professores ou deixaram a sala de aula para se dedicar a outra atividade na pasta da Educação ou passaram a acumular a função de docente com outra carreira na pasta.
De acordo com a secretaria, as 9.279 exonerações contabilizadas entre 2011 e 2015 "correspondem a 3,9% do total de docentes da rede estadual".
Em nota, a pasta afirmou que houve contratação de 28 mil professores apenas em 2014, "número 13 vezes maior que a média apontada pela reportagem de professores exonerados". Segundo o órgão, as 72.337 nomeações de professores feitas entre 2011 e junho deste ano representam "uma média de 1.339 nomeações por mês ou 45 nomeados por dia".
 
Com relação aos 3.351 professores que pediram exoneração mas continuaram pertencendo ao quadro da secretaria, a pasta afirmou que esse número "não representa o número de docentes que deixaram a sala de aula". "Esse dado representa os servidores vinculados à rede que podem ocupar outro cargo, inclusive permanecendo como professor. Por exemplo, um executivo público que atua na administração durante o dia e ministra aulas no período noturno."
 
Sindicatos e associações dos professores têm uma demanda antiga por melhores condições de trabalho. O magistério está entre as atividades com maior ocorrência da síndrome de esgotamento total (burn out).
 

Salário baixo

De acordo com as informações disponibilizadas pela pasta, de 2011 para cá, 72.337 docentes foram nomeados pelo órgão. No fim de 2014, ao realizar o mais recente concurso para professores da rede estadual (para o preenchimento de 5.734 vagas de docentes de educação básica – PEB 1), o salário inicial oferecido pela gestão do governador Geraldo Alckmin (PSDB) para jornada de 24 horas era de R$ 1.565,19.
 
Um ano antes, em outro concurso (o maior da história da categoria), para o preenchimento de 59 mil vagas de professores de educação básica (PEB 2) e educação especial no Estado de São Paulo, o salário inicial oferecido pela gestão do governador Geraldo Alckmin (PSDB) para quem escolhesse a jornada de 40 horas semanais era de R$ 2.257,84.]
 
Parte dos professores da rede estadual participou de uma greve que durou mais de 90 dias, entre março e junho deste ano. Segundo a Apeoesp (sindicato da categoria), a paralisação foi a mais longa da classe desde 1945, ano em que a entidade foi fundada. Os professores pediam um reajuste salarial de 75,33%.
 
O Estado não concedeu nenhum aumento por entender que a categoria obteve ganhos salariais significativos ao longo dos últimos anos.
 

Por que isso é importante?

O direito à educação é um dos direitos sociais previstos no art. 6º da Constituição Federal de 1988. Segundo o art. 205, também da Constituição Federal, a educação "é um direito de todos e dever do Estado e da família" e "será promovida e incentivada com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho".
 
A Constituição prevê, ainda, em seu art. 144, que a segurança pública corresponde a um "dever do Estado" e um "direito e responsabilidade de todos" e que ela é exercida "para a preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio".
 retirado do site:http://educacao.uol.com.br/noticias/2015/09/08/em-sp-172-professores-pedem-demissao-a-cada-mes-ao-estado.htm

Instituto federal produz e faz doação de hortaliças orgânicas

Portal do MEC

A doação de hortaliças orgânicas a entidades e comunidades carentes da região da fronteira entre Brasil e Paraguai é o resultado mais recente do projeto Produção Agroecológica Integrada e Sustentável (Pais), desenvolvido pelo campus de Ponta Porã do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul (IFMS). Em andamento desde abril de 2014, o projeto é realizado em parceria com o Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e envolve professores e estudantes dos cursos de ciências agrárias do instituto.
Na execução do projeto, uma horta foi plantada no campus para o cultivo de modo orgânico, sem o uso de agrotóxicos, de alface, rúcula, salsa, couve, cenoura, nabo e rabanete. Há dois meses, os produtos são distribuídos a entidades da região. Entre as contempladas estão instituições que cuidam de idosos, excepcionais, crianças e adolescentes.
Em parceria com outras entidades, o instituto fornece insumos e auxilia na distribuição da produção a comunidades carentes de Pedro Juan Caballero, Paraguai.
A horta também é usada para fins didáticos e de pesquisa de cursos técnicos e superiores. Entre as atividades desenvolvidas estão produção de mudas, preparo de canteiros, compostagem com resíduos naturais, irrigação, colheita e preparação para o consumo. “O Pais funciona como uma unidade demonstrativa multidisciplinar, atendendo pontualmente a várias possibilidades de práticas em disciplinas dos cursos afins, como solos, plantas daninhas, agroecologia, irrigação, morfologia e fisiologia vegetal, entre outras”, explicou o professor Elke Bezerra, um dos responsáveis pelo projeto.
Assessoria de Comunicação Social, com informações do IFMS

Pesquisadora brasileira relata estágio em educação na Nasa

Portal do MEC

“Uma experiência e tanto”. Assim, Norma Reis, técnica em educação e funcionária da Secretaria de Educação Básica (SEB) do Ministério da Educação descreve a experiência fora do Brasil, mais precisamente na National Aeronautics and Space Administration (Nasa). Depois de nove meses cursando mestrado em gerenciamento espacial no International Space University (ISU), em Estrasburgo, França, ela soube da aprovação para estágio em educação nos Estados Unidos, na maior agência espacial do mundo.
Norma esteve no Goddard Space Flight Center (GSFC) [Centro de Voo Goddard], na cidade de Greenbelt, Maryland, próxima da capital, Washington, um dos maiores centros espaciais do planeta, gerenciador do telescópio Hubble, o primeiro a ser colocado fora da atmosfera terrestre, em 1990. Ali também foi montada a sonda solar Dynamics Observatory, projeto da European Space Agency (ESA) [Agência Espacial Europeia], que se aproximará do Sol mais do que qualquer objeto já criado pela humanidade.
Nesse cenário de ficção científica, Norma desenvolveu pesquisas como Eclipses ao Longo dos Séculos, em que analisa o impacto desses fenômenos nas sociedades e como as civilizações reagiram a eles na história. A partir desse e de outros estudos, a pesquisadora desenvolve formas de aplicar o conhecimento espacial em educação, o que é o caso do sítio temático da Nasa no portal do Ministério da Educação, do qual é colaboradora, e do blogue Astronomia, Astronáutica e Ciências Espaciais na Escola, que coordena.
O aprendizado no estágio foi aplicado na pesquisa de mestrado Práticas Atuais em Educação em Ciências Espaciais na Nasa e na Agência Espacial Brasileira, editada em livro, The Space Education Phenomenon at Nasa, Brazil and Beyond, que traz exemplos inovadores em educação. Com a edição ainda em inglês, a pesquisadora busca agora uma editora que traduza a obra para o português.
Para Norma, a realização está em trazer essas práticas para a educação brasileira. Segundo ela, a Nasa tem o maior empreendimento educacional do mundo. “É uma vasta gama de ações, que serve de exemplo para inspirar políticas públicas” afirma. “Espero que o livro seja aproveitado em termos de inovações educacionais.”
Ana Cláudia Salomão

quarta-feira, 9 de setembro de 2015

Edital de Bolsa de Iniciação Profissional está com inscrições abertas até 15 de setembro

Portal da UFV

O Serviço Social da Diretoria de Assuntos Comunitários (DAC) da UFV-Florestal está com inscrições abertas para o Edital de Bolsa de Iniciação Profissional 2015 (para cursos de Graduação) até 15 de setembro. Trata-se da concessão de recurso financeiro aos estudantes em vulnerabilidade socioeconômica visando dar suporte à permanência na UFV, além de  contribuir para a formação acadêmica e profissional dos selecionados.

Os candidatos às Bolsas de Iniciação Profissional podem se inscrever no Serviço Social da DAC, no CTA, de 7h às 11h. Para tal, é preciso entregar os seguintes documentos:

-  Formulário de Inscrição devidamente preenchido (Anexo I do Edital);

- Termo de Compromisso (Anexo II do Edital) e

- Formulário de Registro do Bolsista (Anexo III).

Para informações mais detalhadas e acesso aos documentos a serem preenchidos, consulte o edital abaixo.

 

Por ACS UFV-Florestal (Fonte: Jacqueline Cunha)
Notícias
 retira do site:https://www2.dti.ufv.br/ccs_noticias/scripts/exibeNoticia2.php?codNot=23942 

A Importância da Administração de Cargos e Salários

A Administração de Cargos e salários é um dos pontos mais importantes para que se possa fazer gestão de recursos humanos é preciso elaborar ...