quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Prêmio Professores do Brasil já registra 1,3 mil inscrições

O Ministério da Educação já recebeu 1.291 inscrições para a quinta edição do prêmio Professores do Brasil. Os educadores têm prazo para inscrever experiências até sábado, 15.

Levantamento da Coordenação-Geral de Tecnologias para a Educação da Secretaria de Educação Básica (SEB) do MEC sobre os projetos recebidos até 3 de outubro mostra que, até agora, o maior número de inscrições (480) aborda a educação infantil. No ensino fundamental, estão inscritas 434 experiências realizadas em salas de aulas dos anos iniciais (até o quinto ano) e 254 nos anos finais (até o nono ano). Escolas do ensino médio registraram 123 inscrições.

Este ano, o prêmio Professores do Brasil vai selecionar até 40 experiências concluídas ou em execução, oito por região do país. Os autores dos trabalhos receberão R$ 5 mil em dinheiro, além de troféus e certificados.

Para concorrer, os educadores devem relatar projetos desenvolvidos ou em desenvolvimento, com resultados comprovados no ano letivo de 2010, que atendam aos objetivos do Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE), lançado em 2007. As experiências devem se relacionar a uma ou a várias iniciativas, como promover a permanência, o sucesso escolar, a redução da repetência, do abandono e da evasão de estudantes da educação básica; aumentar a participação da família na escola, a inserção da escola na comunidade, a inclusão educacional social, racial e digital; trabalhar para a formação ética, artística e cidadã dos alunos.

O trabalho deve ser enviado para Prêmio Professores do Brasil, 5ª edição, Núcleo de Estudos de Ciência Matemática, Conjunto Agrotécnico Visconde da Graça, Rua Ildefonso Simões Lopes, 2.791, Bairro Sanga Funda, CEP: 96060-290, Pelotas (RS).

O prêmio será distribuído entre as 40 melhores experiências (R$ 5 mil por professor). Outros R$ 80 mil, em equipamentos audiovisuais ou multimídia, irão para as escolas que desenvolveram os projetos escolhidos. Cada escola receberá equipamentos no valor de R$ 2 mil.

O prêmio Professores do Brasil é promovido pelo MEC, em parceria com o Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed), União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (Unesco) e Organização dos Estados Ibero-Americanos para Educação, Ciência e Cultura (OEI). A Fundação SM, a Intel, o Instituto Votorantim e a Associação Brasileira de Editores de Livros (Abrelivros) são os patrocinadores.

O regulamento, a ficha de inscrição e detalhes sobre a premiação são encontrados na página eletrônica do prêmio.

Ionice Lorenzoni

Palavras-chave: prêmio Professores do Brasil, PDE

Educação não é barata, mas é o melhor investimento, diz Haddad

Rio de Janeiro — “A universidade brasileira é líder inconteste entre as universidades latino-americanas”, assegurou o ministro da Educação, Fernando Haddad, nesta segunda-feira, 10, no Rio de Janeiro, durante o seminário Pensando o Desenvolvimento do Brasil, que se realiza na Fundação Getúlio Vargas. “Somos o 13º país do mundo em produção científica; estamos resgatando atraso de um século, quando a classe dominante do Brasil perdeu várias oportunidades de criar uma escola pública republicana de qualidade”, afirmou.

Ao fazer um balanço de sua gestão no MEC, Haddad admitiu dificuldades na implementação da reforma educacional que se pretende para o país. “O ensino médio é um nó a desatar; temos aí um grande caminho pela frente”, admitiu. “Na educação infantil, só agora estamos conseguindo aplicar programas de avaliação na pré-escola.”

Sobre o ensino fundamental, o ministro lembrou que o Brasil é o país que mais incrementou o investimento por aluno na década. “E nós conseguimos colher esse resultado”, disse. “Educação não custa barato, demanda tempo, mas é o melhor investimento que se pode fazer.”

Haddad voltou a falar sobre o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e lembrou problemas ocorridos com exames semelhantes em outros países, como os Estados Unidos, com o SAT [Scholastic Assessment Test], que teve problemas com o fuso horário. “Houve problemas também na Índia e na China; na Inglaterra, houve um recorde de itens cancelados”, destacou.

Evolução — Também presente no seminário, a secretária de educação do município do Rio de Janeiro, Cláudia Costin, disse sentir-se orgulhosa ao confrontar os números do Programa Internacional de Avaliação de Alunos (Pisa) de 2009 e comparar o desempenho do Brasil em relação a anos anteriores. “Somos o terceiro país que mais avançou”, salientou. “Não estamos no melhor dos mundos, mas já evoluímos; e muito.”

Cláudia Costin disse ainda que os indicadores de avaliação do Ministério da Educação permitiram aos gestores do ensino no país derrubar o mito de que as melhores escolas públicas são aquelas frequentadas pela classe média. “Ninguém será suficientemente grato ao MEC pela introdução da Prova Brasil e do Ideb [índice de desenvolvimento da educação básica]”, afirmou. A Prova Brasil avalia o desempenho dos estudantes em língua portuguesa, principalmente leitura, e matemática, com destaque para a resolução de problemas. São aferidos os conhecimentos de estudantes matriculados no quinto e no nono anos do ensino fundamental.

Com relação ao Enem, a secretária, assim como o ministro Haddad, reiterou que problemas operacionais ocorrem em todos os exames públicos que se realizam no mundo. “Aconteceu no SAT dos Estados Unidos e até no Saresp [Sistema de Avaliação do Rendimento Escolar do Estado de São Paulo]”, lembrou. “Não é fácil colocar cinco milhões de estudantes para fazer provas em um mesmo dia, em todo o território nacional, e tudo sair perfeito.”

De acordo com a secretária, ao colocar o exame nacional como forma de acesso ao ensino superior, o MEC golpeou o exame vestibular e passou a sinalizar com segurança para o ensino médio. “De forma a evitar a educação enciclopédica como se verificou até agora”, afirmou.

Assessoria de Comunicação Social




Palavras-chave: Enem, Pisa, Ideb

Abertas 1,5 mil vagas gratuitas de mestrado para professor de matemática

Estão abertas até o dia 26 próximo as inscrições para curso de mestrado profissional, gratuito, destinado à qualificação de professores de matemática. São oferecidas 1.525 vagas, em todo país, em 65 polos da Universidade Aberta do Brasil (UAB).

Financiado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) do Ministério da Educação, o curso de pós-graduação destina-se a professores de matemática da educação básica, especialmente de escolas públicas. Ele será ministrado na modalidade semipresencial por uma rede de instituições de educação superior ligadas à UAB, sob a coordenação da Sociedade Brasileira de Matemática.

Para concorrer às vagas, os candidatos terão de passar pelo Exame Nacional de Acesso, que consiste em prova única, em 26 de novembro, com questões objetivas e discursivas e duração máxima de quatro horas. Cada polo do programa destinará 80% das vagas a professores da rede pública de educação básica.

Matrícula — Ao fazer a matrícula, como determina o edital do Exame Nacional de Acesso, os candidatos aprovados devem apresentar contracheque ou declaração da Secretaria de Educação, estadual ou municipal, ou ato de nomeação publicado no Diário Oficial do estado ou município. Além disso, devem apresentar declaração do diretor da escola, com firma reconhecida, de que estão no exercício da docência de matemática no ensino básico.

Mais informações e inscrições na página eletrônica do curso.

Diego Rocha


Confira os polos que oferecem o curso

Palavras-chave: matemática, mestrado, UAB

A Importância da Administração de Cargos e Salários

A Administração de Cargos e salários é um dos pontos mais importantes para que se possa fazer gestão de recursos humanos é preciso elaborar ...