sábado, 24 de julho de 2010

Provas do processo de transferência 2011 da USP serão aplicadas neste domingo

Da Redação
Em São Paulo
Os candidatos às vagas de transferência 2011 da USP (Universidade de São Paulo) realizam as provas da primeira fase do processo seletivo neste domingo (25). Estão em disputa 792 vagas: 133 na área de biológicas, 428 na área de exatas e 231 na área de humanidades. Foram recebidas 1.955 inscrições. Esta etapa será aplicada pela Fuvest (Fundação Universitária para o Vestibular).

Confira aqui os locais de aplicação das provas. Os portões serão abertos às 12h e o acesso às salas ocorrerá até as 12h30. O exame terá 80 questões de múltipla escolha, com duração de quatro horas.

Será necessário apresentar o documento de identidade original e levar caneta esferográfica de tinta azul ou preta para preencher a folha de resposta.

Todos os candidatos farão provas de língua portuguesa e inglesa. Além dessas duas disciplinas, os candidatos da área de humanidades terão questões de cultura contemporânea; os de biológicas responderão a perguntas de genética e bioquímica e os de exatas farão testes de física e matemática.

A previsão é que o gabarito seja divulgado hoje, a partir das 18h. A lista de convocados para a segunda etapa será publicada no dia 7 de agosto.

Os selecionados nessa fase continuarão o processo segundo datas e regras divulgadas nos editais das diferentes unidades da USP, que podem ser consultados aqui.

Serão classificados para a segunda etapa três candidatos por vaga, com exceção dos cursos de artes cênicas, artes plásticas, música e curso superior do audiovisual, oferecidos pela ECA (Escola de Comunicações e Artes), que chamarão oito candidatos por vaga disponível.
Mais vagas

O Instituto de Física de São Carlos oferecerá ainda outras 111 vagas. A Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, em São Paulo, informará em edital próprio o número de vagas de transferência para os seus cursos de ciências sociais, filosofia e história.

Os exames, nesses dois casos, serão organizados e aplicados pela própria escola.

Outras informações podem ser obtidas no edital de transfêrencia ou pelo site da instituição.
retirado do site:http://vestibular.uol.com.br/ultimas-noticias/2010/07/24/provas-do-processo-de-transferencia-2011-da-usp-serao-aplicadas-neste-domingo.jhtm

Prova prático-profissional do 1º Exame de Ordem da OAB 2010 será aplicada amanhã

Da Redação
Em São Paulo

A OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) realizará neste domingo (25) a prova prático-profissional do 1º Exame de Ordem 2010. As provas começam às 14h e têm duração de cinco horas.

* Veja a relação de candidatos aprovados para a prova prático-profissional

A prova prático-profissional será aplicada nas capitais de cada estado e nas localidades em que haja, no mínimo, 50 aprovados na prova objetiva. Caso esse número não seja atingido, os candidatos realizarão a prova em uma cidade próxima.

Para consultar o local de realização dos exames, o candidato deve entrar no site do Cespe e selecionar a seccional escolhida para a realização do exame.

A prova é composta de uma peça profissional e cinco questões da área escolhida pelo candidato. Confira aqui o material de consulta e os procedimentos permitidos no dia do exame. O resultado está previsto para o dia 30 de agosto.

A aplicação das provas objetiva e prático-profissional é feita pelo Cespe/UnB (Centro de Seleção e de Promoção de Eventos) de forma unificada para todos os estados e Distrito Federal. As duas fases têm caráter eliminatório.

A prova objetiva foi realizada no dia 13 de junho por aproximadamente 95.764 candidatos. A aprovação no Exame é necessária para o exercício da advocacia. Outras informações podem ser obtidas no edital de abertura, nos sites da OAB e do Cespe.
retirado do site:http://educacao.uol.com.br/ultnot/2010/07/24/prova-pratico-profissional-do-1-exame-de-ordem-da-oab-2010-sera-aplicada-amanha.jhtm

sexta-feira, 23 de julho de 2010

Justiça dá liberdade provisória ao "tarado da Unesp" de Franca (SP)

DE RIBEIRÃO PRETO
O professor de dança Célio Ernande Pereira, 47, que ficou conhecido como o "tarado da Unesp" de Franca (a 400 km de São Paulo) teve liberdade condicional concedida pelo TJ (Tribunal de Justiça) de São Paulo na última sexta-feira (16).

Ele deixou a prisão no mesmo dia. Pereira havia sido condenado a 26 anos de prisão em 2006 pelo estupro de uma aluna, que teria ocorrido em 2004. Na época, ele dava aulas em um projeto na Unesp.

Ele era suspeito de outros 18 estupros. Sua advogada, Thereza Ricci, disse que não estava autorizada a comentar o caso, mas afirma que o cliente foi condenado erroneamente. "Há muitas conturbações nesse caso. Se o Célio quiser, vamos entrar na Justiça para limpar seu nome."

Pereira, que estava preso na Penitenciária de Serra Azul, já está em Franca.
retirado do site:http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/771416-justica-da-liberdade-provisoria-ao-tarado-da-unesp-de-franca-sp.shtml

Profissionais apontam os pró e contra do ensino a distância.

Fonte: Revista Ouse/ ed.6

Não

Cezar Britto, ex-presidente do Conselho Federal da OAB:

“Não pode haver dúvida sobre a qualidade técnica do advogado. Assim, a formação desse pro fissional deve ser baseada em todos os preceitos básicos da educação tradicional. Uma defesa mal-fundamentada pode pôr a perder todos os princípios de um pro ssional. O ensino de qualidade deve ser controlado pelo MEC, o que não tem ocorrido com os cursos tradicionais, o que dirá com os de ensino à distância. O que se vê são milhares e milhares de universidades caça-níqueis que estão mais interessadas em aumentar o seu número de alunos e não na qualidade do seu corpo docente e na sua estrutura. Autorizar o curso à distância é aumentar o caos que já existe na situação atual da educação, principalmente em relação aos cursos de Direito. Porém, caso haja uma boa fiscalização do Ministério da Educação, um bom investimento das instituições em infraestrutura e, principalmente, no seu corpo docente, eu acredito que esta possa ser uma boa alternativa para cursos de especialização, mas não para a graduação”.

Sim

José de Sá, docente da Faculdade de Comunicação e da FAGES da Universidade Metodista de São Paulo:

“Assim como nos cursos tradicionais, é preciso saber escolher a universidade. Existem instituições sérias, que investem na sua estrutura e no seu corpo docente, que deve ser altamente especializado. Não basta dominar formas de ensino, mas também algumas técnicas de televisão, por exemplo. Mas o principal segredo está na fiscalização do Ministério da Educação, que deve regulamentar esses cursos e ficar atento para que eles sigam todas as normas estabelecidas. Também é muito importante que o aluno tenha maturidade su ficiente para criar o seu próprio plano de estudo, já que não terá o professor para lhe auxiliar sempre. Maturidade é item fundamental, por isso os alunos com mais idade costumam se sair melhor com este tipo de ensino. Outro ponto interessante é o acesso, já que este meio facilita a qualquer aluno, esteja ele distante o quanto estiver, assistir à aula pela Internet. Essa forma de ensino dá esperança às pessoas, faz com que elas cresçam, atinjam novos objetivos. Existem alunos com 40, 50 anos que estão se graduando. Basta responsabilidade e maturidade”.
retirado do site:http://itodas.uol.com.br/carreira/que-tal-investir-no-ensino-a-distancia/

Mais de 70% das escolas públicas urbanas já estão ligadas à internet de alta velocidade

Sabrina Craide
Da Agência Brasil
Em Brasília

O Ministério das Comunicações divulgou hoje (23) que 72,75% das escolas públicas urbanas do país já tem acesso à internet de alta velocidade. No total, são 47.204 estabelecimentos municipais, estaduais e federais localizados em zona urbana no país. A meta do programa Banda Larga nas Escolas, lançado em 2008, é conectar todas as 64.879 escolas urbanas até o fim deste ano.

O levantamento de dados, feito pela Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações), mostra que no primeiro semestre de 2010 foram incluídas 4.206 escolas no programa. São Paulo, Minas Gerais, Maranhão e Bahia são os estados que receberam o maior número de conexões e os estados da Região Norte foram os menos beneficiados. Segundo a Anatel, isso ocorre por causa das dificuldades de acesso das operadoras à região.

O programa Banda Larga nas Escolas estabelece que as concessionárias de telefonia fixa devem levar aos municípios infraestrutura de rede para a conexão das escolas públicas urbanas em banda larga. De acordo com o compromisso assumido pelas empresas, mesmo as novas escolas que surgirem durante a execução do programa serão conectadas até o fim de 2010.
retirado do site:http://educacao.uol.com.br/ultnot/2010/07/23/mais-de-70-das-escolas-publicas-urbanas-ja-estao-ligadas-a-internet-de-alta-velocidade.jhtm

TV Escola mostra civilizações das Américas do Sul e Central

Portal do MEC
Sexta-feira, 23 de julho de 2010 - 10:56
A TV Escola da Secretaria de Educação a Distância (Seed) do Ministério da Educação exibe nesta sexta-feira, 23, às 20h, o programa Os Astecas, os Maias e os Incas, da série O Que a Antiguidade Fez por Nós. O episódio, com uma hora de duração, mostra como as antigas civilizações desenvolveram técnicas e invenções que ajudaram a construir a sociedade contemporânea.

Os maias, cujo território abrangia a península mexicana de Iucatã e áreas hoje formadas por Guatemala, Honduras, El Salvador e Belize, foram responsáveis pela construção de pirâmides, palácios e observatórios astronômicos. Eles desenvolveram um calendário preciso de 365 dias, com sistema de contagem usado nos dias de hoje.

Habitantes da região do México, entre os séculos 14 e 16, os astecas desenvolveram técnicas agrícolas, fizeram obras de drenagem e criaram ilhas de cultivo, nas quais plantavam e colhiam cereais. Além disso, estabeleceram conceitos matemáticos e de astronomia.

A cidade de Machu Picchu, no Peru, descoberta em 1911, revelou toda a eficiente estrutura urbana da sociedade inca, na Cordilheira dos Andes. Até hoje, essas civilizações são pesquisadas por historiadores e arqueólogos.

A TV Escola é captada por antena parabólica digital ou analógica em todo o país. O sinal está disponível também nas operadoras de TV por assinatura Embratel (canal 123), Sky (canal 112) e Telefônica (canal 694).

Assessoria de Imprensa da Seed
Palavras-chave: TV Escola, Seed

Novas tecnologias serão usadas para reconstrução de escolas

Portal do MEC

Maceió – Pré-moldados de madeira, painéis cimentícios, de gesso e de alumínio são algumas das novas tecnologias de construção propostas para a reconstrução das escolas alagoanas atingidas pelas enchentes, durante a audiência pública que discutiu o assunto. O encontro realizou-se na manhã desta quinta-feira, 22, no Centro de Convenções Ruth Cardoso, em Maceió.

Cerca de 100 pessoas, entre empresários da construção civil, engenheiros, técnicos e secretários municipais de educação participaram da audiência. No encontro, o arquiteto Tiago Radunz, coordenador-geral de infraestrutura educacional do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), expôs os seis projetos arquitetônicos de escolas que serão financiadas pelo governo federal. Os projetos abrangem unidades de uma até 12 salas, com capacidade para acolher até 432 alunos por turno.

Diversas questões foram levantadas pelos participantes durante a audiência. Entre elas, se os terrenos para as novas escolas já disporão de água, energia e esgoto; se a urbanização dos arredores dos colégios faz parte do conjunto do trabalho; e qual a tributação a ser aplicada na construção.

Ao encerrar o encontro, o diretor de administração e tecnologia do FNDE, José Carlos Freitas, garantiu que todas as questões levantadas serão analisadas, para se buscar uma solução que permita agilidade e transparência na reconstrução das unidades de ensino. “As sugestões apresentadas enriqueceram o processo”, afirmou.

Assessoria de Comunicação Social do FNDE

Palavras-chave: Educação básica, emergência, Alagoas, FNDE

Universidades mineiras estudam formação de consórcio

Portal do MEC
A proposta de criação de um consórcio de instituições federais de ensino superior foi debatida na segunda-feira, 19, em Brasília, durante encontro de reitores e representantes de universidades mineiras com o ministro da Educação, Fernando Haddad. Também participaram dirigentes da secretaria de Educação Superior (Sesu) do Ministério da Educação e da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).

O encontro reuniu reitores e representantes das universidades federais de Alfenas, Itajubá, Juiz de Fora, Lavras, São João del-Rei, Ouro Preto e Viçosa. No conjunto, essas instituições têm campi em 17 municípios do sudeste de Minas Gerais e atendem polos de educação a distância em 55 cidades. Elas reúnem 3,5 mil professores, quatro mil técnicos administrativos, 41 mil alunos de graduação e 5,3 mil de pós-graduação.

Em 260 cursos presenciais, essas instituições oferecem 15,6 mil vagas de ingresso anual, além de 111 cursos de mestrado e 59 de doutorado. As universidades são ainda reconhecidas pela qualidade dos cursos de graduação e pós-graduação.

Na graduação, todas contam com índice geral de cursos (IGC) entre 4 e 5. Na pós-graduação, 15 programas têm nível 5; cinco têm nível 6 e dois nível 7, o mais alto.

A localização geográfica, a qualidade e a complementaridade das ações são indicadores do alto potencial de criação de um consórcio que permitiria, além da integração acadêmica nos campos de ensino, pesquisa e extensão, formas mais eficientes e eficazes para a utilização racional de recursos, parcerias para o desenvolvimento e troca de tecnologias, atuação em áreas estratégicas e, ainda, a discussão de soluções para os problemas sociais da região, do país e do mundo.

Na proposta em debate, as instituições manteriam a autonomia, mas formulariam um único plano de desenvolvimento institucional (PDI) em consonância com o PDI de cada instituição.

Assessoria de Comunicação Social

Perfil das universidades
Palavras-chave: educação superior, universidades, consórcio

segunda-feira, 19 de julho de 2010

Falta de currículo trava EJA no Enem, diz especialista

Sarah Fernandes
A falta de parâmetros curriculares para o ensino médio na Educação de Jovens e Adultos (EJA) foi um dos fatores responsáveis pelo baixo rendimento de escolas dessa modalidade no ranking do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2009, divulgado nesta segunda-feira (19/7) pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). A avaliação é do especialista em EJA da organização não governamental Ação Educativa, Roberto Catelli.

O primeiro colégio de EJA ocupa posição número 2.752, com nota 599,87, em uma escala de zero a 1.000. “EJA no ensino médio é uma coisa muito nova. Em geral o foco da modalidade é na alfabetização e nas séries iniciais”, avalia Catelli. “Além disso, existe pouco material didático, os existentes são de baixa qualidade, e o recurso repassado para a EJA é menor do que para o ensino regular”.

Outro fator responsável pelo desempenho insatisfatório das escolas de EJA no Enem é a falta de professores. “Já é difícil conseguir professores para as séries iniciais, para o ensino médio é muito mais. Já vi escolas onde todas as matérias de ensino médio de EJA eram ministradas pelo mesmo professor”, conta Catelli.

Essa dificuldade também é verificada pela professora de EJA Adriana Silva, que faz formações de professores para essa modalidade de ensino. “Existe mais atenção para os alfabetizadores e para os educadores de séries iniciais. Não há uma formação específica para se trabalhar com EJA, menos ainda para o ensino médio”.

A falta de um currículo para essa modalidade é um dos entraves na sala de aula, segundo Adriana. “Os professores de EJA de ensino médio só tem uma referência: a educação regular. Nisso se desconsidera toda a história de vida do aluno e todas as suas demandas específicas”.

Participação

O número escolas de EJA que fizeram o Exame Nacional do Ensino Médio em 2009 aumentou 16% em relação ao ano anterior. “Desde 2009 o Enem passou a certificar a conclusão da Educação de Jovens e Adultos, substituindo o Enceja [Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos], o que aumenta a participação”, avalia Roberto Catelli, da ONG Ação Educativa.

A prova do Enem de 2009 contou com 2.426.432 candidatos, dos quais 37% declararam estar concluindo o Ensino Médio em 2009 e 56% serem egressos. O Exame foi composto por uma redação e por provas objetivas divididas em quatro áreas: linguagens; ciências humanas; ciências da natureza e matemáticas.

O número de escolas de ensino médio regular que participaram do Enem aumentou 5%, passando de 24.253 em 2008 para 25.484 em 2009. Participaram 93% das escolas que oferecem de ensino médio, de acordo com o Censo Escolar 2009.

retirado do site:http://aprendiz.uol.com.br/content/chuuiwrecl.mmp

Pesquisador americano vê falta de clima de competição no Brasil

RICARDO MIOTO
DE SÃO PAULO
Nathan Berkovits, 49, professor do Instituto de Física Teórica da Unesp, acha que um clima de mais competição entre os pós-graduandos faria bem para o país.

"O aluno americano sabe que vai ter de ser o melhor para conseguir emprego. Há muita pressão sobre ele, mas ele valoriza o estudo, se esforça", diz. "Não que todos os alunos brasileiros sejam relaxados, os melhores daqui são iguais aos melhores de lá. Mas, na maioria dos casos, a atitude é diferente."
Segundo ele, a prática de "premiar os melhores e penalizar os piores", que no Brasil ganhou o apelido de meritocracia, faria bem ao país.

"Entre todos os professores das federais, os salários são iguais, as horas-aula iguais. Não há uma maneira para diferenciar um pesquisador bom de um ruim."

Mesmo prezando essa tradição americana -foi aluno em Harvard, e nas universidades da Califórnia e de Chicago- Berkovitz acabou deixando os EUA. Ainda em sua terra natal, casou-se com uma brasileira. Veio conhecer o país, gostou e ficou, mesmo depois de divorciado.

Bem recebido

"Brasileiro trata estrangeiro até melhor do que trata o próprio brasileiro", diz. Isso talvez seja fruto de uma síndrome de inferioridade, apesar de ter impressão que isso está mudando, diz o físico, que chegou ao em 1994. Naturalizado desde 2002, não se considera mais americano.

"O brasileiro acha estranho um estrangeiro querer morar aqui. Mas é um lugar bom para morar se você não é pobre, apesar da violência."

O físico se incomoda com o frio de São Paulo. "As casas aqui são construídas para o calor. Nos EUA você não sente frio dentro de casa."

Há onze anos, se casou com outra brasileira. Não pensa, por enquanto, em voltar. "Aqui não existe tanta pressão para fazer o que todo mundo está fazendo. Além disso, algumas coisas melhoraram muito, como o CNPq."

Ele acha que o Brasil não sabe atrair bons cientistas de fora -processos de contratação em português ainda atrapalham numa área onde o inglês já é língua franca.
Retirado do site:

RJ tem 15 escolas entre as 50 melhores no Enem 2009; confira rankings por Estado

Da Redação
Em São Paulo

Entre as 50 melhores escolas do país, 15 delas são do Rio de Janeiro. Os dados do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) 2009 foram divulgados pelo Inep, autarquia do MEC (Ministério da Educação) nesta segunda (19).

O Estado de São Paulo vem em segundo lugar nessa contagem, com 11 instituições no ranking nacional, e seguido do Piauí que emplacou seis escolas na lista com as 50 melhores notas do Enem 2009. Minas Gerais aparece em quarta colocação, com cinco escolas.

Veja o Ranking de todos os estados em:http://educacao.uol.com.br/ultnot/2010/07/19/rj-tem-15-escolas-entre-as-50-melhores-no-enem-2009-confira-rankings-por-estado.jhtm

Candidatos não isentos podem pagar sua inscrição até dia 20

Portal do MEC
Com o fim do período de inscrições para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2010, os candidatos que estiverem fora dos critérios de isenção ainda têm prazo até a próxima terça-feira, 20, para pagar o boleto na rede bancária. Aqueles que ainda não o imprimiram poderão fazê-lo nesse período, desde que já inscritos.

São isentos da taxa de inscrição, de R$ 35, os estudantes da última série do ensino médio em escolas públicas. Também não pagam a taxa aqueles que tiverem concluído o ensino médio em anos anteriores e declararam carência. A mesma declaração é exigida de alunos de escolas particulares que reivindicaram a isenção.

As provas, marcadas para 6 e 7 de novembro, terão a mesma estrutura do ano passado. Vão abranger as áreas de linguagens e códigos, ciências da natureza, matemática e ciências humanas. O exame terá quatro provas objetivas de múltipla escolha, com 45 questões cada uma, e redação. A novidade este ano serão as questões de língua estrangeira (inglês ou espanhol) na área de linguagens e códigos — o candidato deve fazer a opção no momento de se inscrever.

Em 6 de novembro, sábado, serão aplicadas as questões de ciências da natureza e ciências humanas, das 13h às 17h. No domingo, 7, das 13h às 18h30, será a vez de matemática, linguagens e códigos e redação.

Assessoria de comunicação Social
Palavras-chave: Enem, inscrição

Liberados R$ 156,3 milhões a escolas de educação básica

Portal do MEC
Recursos de R$ 156,3 milhões estão à disposição de caixas escolares, conselhos escolares ou similares das unidades de ensino públicas cadastradas no Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE). As instituições de ensino contempladas oferecem, em sua maioria, ensino infantil ou integral.

Este ano, o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), responsável pelo PDDE, dispõe de R$ 1,4 bilhão para investimento nas escolas. Criado em 1995, o programa teve a área de atuação ampliada ao longo dos últimos 15 anos. Até 2008, contemplava escolas públicas de ensino fundamental. Com a Lei nº 11.947, de 16 de junho de 2009, passou a atender toda a educação básica.

Hoje, além de liberar recursos para manutenção da infraestrutura das escolas públicas, o programa promove a acessibilidade para estudantes com deficiência ou mobilidade reduzida; financia a educação integral, o funcionamento das escolas nos fins de semana, com a oferta de atividades educativas e recreativas; e a reforma e a construção de coberturas de quadras esportivas em escolas participantes do programa Mais Educação.

Para participar e receber recursos do PDDE e atualizar dados cadastrais, é necessário que escolas públicas, municípios, estados e Distrito Federal façam a adesão no sistema de habilitação PDDEweb. O prazo para a primeira opção vai até 29 de outubro.

Os valores transferidos esta semana para as escolas podem ser conferidos na página eletrônica do FNDE.

Assessoria de Comunicação Social do FNDE
Palavras-chave: PDDE, recursos, FNDE

Reitores tomam posse e lembram valor da educação profissional

Portal do MEC
O secretário-executivo do Ministério da Educação, José Henrique Paim Fernandes, deu posse nesta quarta-feira, 14, em Brasília, aos reitores dos institutos federais de educação profissional e tecnológica de Sergipe e da Paraíba. Ele destacou a importância da educação profissional para o desenvolvimento do país.

“Hoje, quando se diz que a educação é uma prioridade, há um discurso de conteúdo. Os institutos federais fazem parte de uma estratégia de contribuição para cada região e servem como referência no desenvolvimento da educação profissional brasileira”, disse Paim.

Eliezer Pacheco, secretário de Educação Profissional do MEC, afirma que é um grande compromisso e responsabilidade assumir a reitoria dos institutos, “pela tarefa de comandar uma instituição inovadora que atua desde o ensino básico até a graduação”.

Os novos reitores – O professor João Batista de Oliveira Silva, que assumiu o Instituto Federal da Paraíba, é graduado em licenciatura plena com habilitação básica em eletricidade, bacharel em administração de empresas, e bacharelando do curso de direito. Possui também especialização em metodologia do ensino técnico, e atualmente é mestrando em engenharia elétrica. “Nosso papel é manter esta rede federal, que é centenária, cada vez mais forte e resistente”, disse.

O novo reitor do Instituto Federal de Sergipe, professor Ailton Ribeiro de Oliveira, é graduado em administração de empresas pela Universidade de Tiradentes e possui mestrado em gestão ambiental pela Universidade Federal de Sergipe. Ailton será o primeiro reitor a ocupar o cargo da reitoria do Instituto Federal de Educação Profissional e Tecnológica de Sergipe. “Não só busquemos alcançar o conhecimento, mas ter consciência do que fazer com ele”, defendeu.

Assessoria de Imprensa da Setec
Palavras-chave: Institutos federais

Cursos começam em agosto para 1.970 professores do ensino básico público

Portal do MEC

Universidades federais de oito estados das regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste concluem este mês o processo de seleção de 1.970 professores do ensino básico público para o curso de especialização em educação infantil. Nas oito instituições, o início das aulas está programado para agosto.

Os professores, que já trabalham com educação infantil e pertencem aos quadros das redes municipais, farão a especialização em 36 polos das universidades federais do Amazonas, Roraima, Rondônia, Ceará, Bahia, Piauí, Sergipe e Mato Grosso. Presencial e gratuito, o curso de pós-graduação tem 360 horas e duração de 18 meses.

O objetivo da iniciativa do Ministério da Educação, em parceria com instituições federais de educação superior e prefeituras, é qualificar quadros das redes públicas da educação básica e, a partir daí, criar uma rede nacional de formação nos municípios.

As pré-inscrições do curso foram abertas em 2009, na Plataforma Freire, para professores de 17 estados e mais de 70 municípios a serem atendidos por 17 instituições federais de educação superior. No conjunto, 13.068 educadores fizeram pré-inscrição na plataforma e concorrem a 3.925 vagas.

Ionice Lorenzoni

Palavras-chave: educação básica, professor, especialização

Liberados para consulta os resultados da média por escola do ano passado

Portal do MEC
Segunda-feira, 19 de julho de 2010 - 10:56
Estão liberadas para consulta pela internet as médias obtidas pelos participantes do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2009, por escola. Quase 2,6 milhões de estudantes fizeram as provas. Tiveram as médias divulgadas as unidades de ensino com mais de dez alunos.

Os resultados são calculados a partir do desempenho dos alunos concluintes. É possível verificar as médias de todas as escolas do Brasil por modalidade de ensino, com resultados apresentados para o ensino médio regular, para a educação de jovens e adultos e para as duas etapas em conjunto. São divulgadas as médias separadas das quatro áreas objetivas avaliadas no exame, a da redação, a das provas objetivas e a geral — prova objetiva mais redação.

O número de escolas de ensino médio regular com alunos que participaram do Enem aumentou de 24.253 em 2008 para 25.484 em 2009. Dentre as 27.306 escolas constantes do censo escolar de 2009 que oferecem o ensino médio regular, 93% tiveram a participação de alunos concluintes no exame. A variação mais significativa ocorreu no número de escolas que oferecem apenas a modalidade de educação de jovens e adultos — apresentaram aumento de 16% em relação a 2008.

Organizado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), o Enem de 2009 foi aplicado em 5 e 6 de dezembro. Foram avaliadas as áreas de conhecimento de ciências da natureza e suas tecnologias, ciências humanas e suas tecnologias, linguagens, códigos e suas tecnologias e matemática e suas tecnologias, além da redação. A divulgação das médias do exame é elemento de mobilização em favor da melhoria da qualidade do ensino. A iniciativa auxilia professores, diretores e demais dirigentes educacionais na reflexão sobre problemas e soluções no âmbito da escola, a partir da avaliação do desempenho dos alunos em cada área de conhecimento.

Assessoria de Imprensa do Inep

Confira os resultados por escola

Confira a nota técnica do Inep


Palavras-chave: Enem, média, resultados

A Importância da Administração de Cargos e Salários

A Administração de Cargos e salários é um dos pontos mais importantes para que se possa fazer gestão de recursos humanos é preciso elaborar ...